#ActForEqual: é hora de agir pela equidade

Bama Athreya

Por Bama Athreya

Em 2020, a Laudes Foundation lançou uma Declaração sobre Gênero, Equidade e Inclusão, como um compromisso de trabalhar por uma sociedade mais justa e igualitária. 

Este ano, nos juntamos à Geração Igualdade, um movimento de reflexão sobre os compromissos globais firmados em 1995 para erradicar a desigualdade de gênero no mundo todo. 

O Fórum Geração Igualdade, promovido pela ONU Mulheres e coorganizado pelo governo da França, que aconteceu entre 30 de junho a 2 de julho, foi mais uma oportunidade para que as lideranças globais se comprometessem novamente para que a próxima geração tenha o objetivo da equidade de gênero alcançado.

Antecipando este encontro, o Laudes Exchange[i], fórum online criado pela Laudes Foundation para discutir e definir pautas importantes para a Fundação, contou com a presença de três vozes importantes das Coalizões de Ação da Geração Igualdade: Latanya Mapp Frett, presidente e CEO do Global Fund for Women, Sohini Bhattacharya, presidente e CEO da Breakthrough India e Emilienne de Leon, membro da Rede Mexicana de Pesquisadores da Sociedade Civil. O debate, mediado por mim, discutiu os desafios contínuos na promoção da equidade de gênero além de conquistas e iniciativas que podem acelerar uma mudança que seja, de fato, transformadora. Abaixo, destaco os principais pontos da conversa:

 

A pandemia reforçou estereótipos culturais

Emilienne observou que a Covid-19 tem prejudicado os esforços das mulheres para se libertarem de seus papéis tradicionais. Segundo ela, a mídia desempenha um papel na perpetuação de estereótipos culturais:  “se olharmos para muitos programas ou anúncios, o papel de uma mulher é cuidar dos outros”. É a história da Cinderela que se repete continuamente. Ela fez um apelo às empresas para que pensem como sua publicidade poderia estar mais alinhada à igualdade de gênero e desafiar estas normas: “Se você está vendo homens e mulheres limpando uma casa juntos ou cuidando da família, pode começar a mudar a mentalidade das crianças e dos jovens e, assim, a mudança cultural virá” .

 

Equidade de gênero nas empresas

Para Sohini, “apoiar o trabalho da justiça de gênero significa nos sentir confortáveis em confiar que as mulheres sabem o que é necessário”. Ouvir suas funcionárias é uma lição de casa que todas as empresas podem fazer para melhorar e desenvolver suas políticas de diversidade e inclusão. “Trazer as vozes das mulheres para a elaboração de políticas corporativas (dos processos seletivos às contratações de fornecedores) é a melhor maneira de começar”.

 

Uma grande causa requer um grande orçamento

Finalmente, a necessidade de mais financiamento foi um tema recorrente na fala de todas as palestrantes. Comecei a discussão destacando a lacuna de financiamento para iniciativas de igualdade de gênero, citando pesquisas da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD) que revelaram que essa área recebe apenas 6% do financiamento filantrópico. Sohini acrescentou que o orçamento anual de muitas organizações de direitos da mulher era de apenas cerca de 30.000 dólares por ano, insuficiente para  um problema global de tamanha magnitude: “Se quisermos fazer a transição para uma economia positiva e inclusiva, precisaremos investir e priorizar os direitos, técnicas e capacidades de um grupo que corresponde à metade da população mundial”.

 

Quais os próximos passos?

Com o tema ESG dominando o mundo financeiro e empresarial, mais alianças entre organizações ambientais e de mulheres seriam benéficas, já que há uma forte conexão entre as duas causa. As questões de gênero também perpassam muitos dos 17 objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU, incluindo pobreza, educação e insegurança social, agregar ambos pode ser uma solução para conseguir mais investimento.

Foi consenso da conversa que para reconstruir o mundo de uma forma melhor após a pandemia, precisamos colocar a equidade de gênero no centro desses esforços. Como disse Sohini, “este tem que ser problema de todos. Governos, organizações, filantropia e indivíduos precisam se unir e se comprometer para encontrar uma solução”.

 

[i] O Laudes Exchange é um fórum online criado pela Laudes Foundation para discutir e definir pautas importantes para a Fundação. Seu objetivo é promover um espaço de diálogo que permita à governança, aos principais executivos e funcionários seniores, tomarem decisões informadas sobre questões que importam na empresa, a partir da visão e conhecimento de profissionais reconhecidos, muitos deles parte do nosso portfólio de parceiros.


Sobre o autor

Por Bama Athreya

Bama Athreya é consultora de Inclusão Social e Gênero na Laudes Foundation, com mais de 20 anos de experiência internacional em temas trabalhistas, gênero e inclusão social, negócios e direitos humanos.

Compartilhar